quarta-feira, 1 de agosto de 2012

Com a vossa faculdade de raciocínio.


O apóstolo Paulo nos exorta em Romanos 12:1 com a seguinte súplica:

Conseqüentemente, eu vos suplico, irmãos, pelas compaixões de Deus, que apresenteis os vossos corpos como sacrifício vivo, santo [e] aceitável a Deus, um serviço sagrado com a vossa faculdade de raciocínio.

“com a vossa faculdade de raciocínio.”

A ferramenta necessária para se obter conhecimento exato da verdade é a faculdade de raciocínio. Esta faculdade de raciocínio é o “milagre” ou dom dado por Jeová. É a faculdade que o próprio Jeová tem em grau Superlativo e nos criou com a capacidade de exercê-la. Tal atributo nos possibilita sermos "à imagem de Deus".

Antigamente Jeová efetuava também outros milagres (a saber: pragas no Egito, abrir o mar Vermelho, curar doentes fisicamente, levantar os mortos), no entanto, por deixar de usar o milagre da faculdade do raciocínio, muitos do povo de Jeová deixaram de se beneficiar plenamente do que estava por detrás dos outros milagres menos importantes.

Desde que Jesus Cristo, qual rei Davi-Maior, sentou-se no trono literal de Jeová, nos céus, à Sua destra, no primeiro século, sendo assim empossado Rei do reino de Deus sobre o "novo Israel", desde então, a faculdade de raciocínio com base nas Escrituras  é a chave mestra para promover os interesses do Rei Jesus Cristo e expandir o reino que lhe foi dado por Jeová, formado não só de judeus carnais mas também de pessoas de todas as nações. (Mateus 28:18-20, Atos 11:18,15:14-18 , 1 Cor 15:25,26)

A faculdade de raciocínio é o milagre necessário para expandir o Reino de Cristo: a nação dos cristãos (Atos 11:26)

Vejamos os atos (ações) milagrosos que o Espírito Santo realizou por meio dos embaixadores do Reino de Cristo:

Atos 9:22 Mas, Saulo adquiria ainda mais poder e confundia os judeus que moravam em Damasco, ao provar logicamente que este é o Cristo.

Saulo ao provar logicamente que Jesus era o Cristo, o Rei, usou a faculdade de raciocínio ou lógica.
Note que Saulo não provava à base de sua suposta autoridade. Ele não dizia simplesmente para os judeus ou gentios: “Eu sou agora o canal de Deus e portanto vocês devem me obedecer sem questionamentos”. Dizer tal coisa seria algo visto da perspectiva dele mas dificilmente ele conseguiria provar algo para outros dessa forma.

É por isso que ele usava a faculdade de raciocínio para provar ou demonstrar à outros que Jesus era o Cristo.

A autoridade de um homem imperfeito sobre outro , nunca foi usada como argumentação cristã.


Atos 18:19 Chegaram assim a Éfeso, e ele os deixou ali; ele mesmo, porém, entrou na sinagoga e raciocinou [usou sua faculdade de raciocínio] com os judeus.

Atos 17:3 explicando e provando [quer dizer, usando sua faculdade de raciocínio] com referências que era necessário que o Cristo sofresse e fosse levantado dentre os mortos, e [dizendo]: “Este é o Cristo, este Jesus, que eu vos publico.”

Desde que os apóstolos morreram, a ferramenta para expandir a nação cujo Rei é Jesus composta de adoradores de Jeová é a faculdade de raciocínio com referência às Escrituras. Os apóstolos ainda faziam outros portentos (levantar os mortos, curar doentes) a fim de provar que Jesus é o Cristo, o Líder Governante do Reino dos céus.

Desde que as testemunhas oculares de Jesus faleceram (por volta de 100 d.C) a regra do expansionismo cristão é usar única e exclusivamente a faculdade de raciocínio com base nas Escrituras. Esta é a regra do jogo agora estipulada por Jeová.

Utilizar o milagre da faculdade de raciocínio é a ordem dada aos alunos (discípulos) de Cristo:

um serviço sagrado com a vossa faculdade de raciocínio.” - Rom 12:1

Amados, não acrediteis em toda expressão inspirada, mas provai [usar a faculdade de raciocínio] as expressões inspiradas para ver se se originam de Deus” - 1 João 4:1

Hebreus 5: 14 O alimento sólido, porém, é para as pessoas maduras, para aqueles que pelo uso têm as suas faculdades perceptivas [órgãos sensoriais] treinadas para distinguir tanto o certo como o errado.

Revelação 2:2 ‘Conheço as tuas ações, e o teu labor e a [tua] perseverança, e que não podes suportar homens maus, e que puseste à prova os que se dizem apóstolos, mas não são, e que os achaste mentirosos.

Assim todos os cristãos estão sob a obrigação de testar, por à prova e proclamar o evangelho por meio de sua faculdade de raciocínio baseada nas Escrituras.

Nos últimos meses uma encruzilhada foi colocada diante de mim.
Em todos os processos inquisitórios ao qual fui submetido recentemente levantou-se um dilema.

Nota: Inquisição (do verbo latino inquiro, significa “fazer pesquisas, procurar saber, interrogar os outros com o objetivo de obter provas a fim de condena-lo”)

O principal sacerdote da sinagoga onde o nome de Jeová é invocado disse-me:

Não importa aquilo que você pensa e raciocina [por meio de sua faculdade de raciocínio], o que importa é o que está publicado na Sentinela por meio do Corpo Governante, o escravo fiel e discreto. Você tem que adorar a Deus ou estudar a Bíblia por meio da revista A Sentinela”

Trocando em miúdos:

        "Jogue no lixo vossa faculdade de raciocínio"

Eis o Dilema:
Deveria eu desprezar a minha faculdade de raciocínio e preservar assim uma boa posição dentro da organização (sociedade Watchtower + povo de Jeová)?

Ou deveria obedecer ao que me foi suplicado por meio das Escrituras? A saber:

Conseqüentemente, eu vos suplico, irmãos, pelas compaixões de Deus, que apresenteis os vossos corpos como sacrifício vivo, santo [e] aceitável a Deus, um serviço sagrado com a vossa faculdade de raciocínio.” Rom 12:1

Ora!! Não tive outra opção.
Quando tive que optar entre agredir minha faculdade de raciocínio ou "agredir" a organização na qual o povo de Jeová entrega sua indivisa lealdade, eu [ com a minha faculdade de raciocínio] escolhi, “pelas compaixões de Deus, apresentar meu corpo como sacrifício vivo, santo [e] aceitável a Deus, um serviço sagrado com a minha faculdade de raciocínio.

Hoje quando fui pregar as boas novas de Cristo não usei nenhum outro milagre senão usar a faculdade de raciocínio em relação às Escrituras. Meu testemunho não se baseia na autoridade que algum humano professa ter na terra.

Eu não declaro as boas novas às pessoas assim: “Você tem que servir a Jeová pois é o que a Sentinela e o Corpo Governante dizem. Eles são a autoridade do assunto. Eles são o canal de Jeová”

Duvido que alguém se tornasse testemunha de Jeová à base de tal “argumentação” executada pelo principal sacerdote e administrada pela liderança da organização.

No próximo artigo discorrerei de como desprezar ou abandonar ou negligenciar nossa faculdade de raciocínio (uma dádiva ou milagre dado por Jeová Deus) faz com que apresentemos os nossos corpos como sacrifício morto, aviltado [e] inaceitável a Deus. 


"blasfêmia, soberba, irracionalidade. 23 Todas estas coisas iníquas saem de dentro e aviltam o homem.” 
Marcos 7:22

Assuntos relacionados:

Nenhum comentário: