quarta-feira, 30 de maio de 2012

Jeová, o Deus e Jesus, o Rei - Versus "Os Erros"

O conhecimento mais importante dentro das Escrituras está descrito nas palavras da oração feita por Jesus encontradas em João 17:3

3 E a vida eterna é esta: que te conheçam, a ti só, por único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, a quem enviaste.” (Almeida)

Quem é aquele identificado por Jesus como “ a ti só, o único Deus verdadeiro” ?

Jesus, em sua oração, afirmou o seguinte no verso 6:
Manifestei o teu nome aos homens que do mundo me deste”

Ou seja, o Ser que devemos conhecer, e somente a Ele só, por único Deus verdadeiro tem um nome:

Salmo 83:18 (Almeida)
Para que saibam que tu, a quem só pertence o nome de Jeová, és o Altíssimo sobre toda a terra”

Esse Salmo 83:18 e o texto de João 17:3 dão a mesma ordem, ou falam de modo imperativo:

Para que saibam” - Salmo
que te conheçam” - João

E aquilo o que devemos ter ciência também é o mesmo:

o único Deus verdadeiro”
Jeová, és o Altíssimo sobre toda a terra”

Podemos realizar um experimento e aglutinar ambos os textos em um só – sem perda de legitimidade:

E a vida eterna é esta, que te conheçam, a ti só, por único Deus verdadeiro, Para que saibam que tu a quem só pertence o nome de Jeová, és o Altíssimo sobre toda a terra, e a Jesus Cristo, a quem enviaste.”

Assim, Jeová é o Deus a quem o próprio Jesus adorava e adora antes e depois de vir à terra.

Alguns tem achado de modo equivocado que Jesus é o próprio Jeová (doutrina da Trindade).
Tal conclusão errônea se deve à má interpretação das Escrituras.
Não me proponho nesse texto decorrer sobre o evidente engano da Trindade. Creio que muitos pensadores cristãos já argumentaram muito bem sobre esse erro através dos séculos.
O argumento que aqui exponho contra a Trindade fica em memória deles:

Miguel Servet
Servet publicou De trinitatis erroribus ("Sobre os erros da trindade"). No ano seguinte ele publicou Dialogorum de Trinitate ( "Diálogos sobre a Trindade")
Por expor com franqueza suas ideias e raciocínios à base das Escrituras, Miguel foi condenado pela Igreja Católica e preso e executado pelo Calvinismo.
Eis parte da sentença:
Por estas e outras razões te condenamos, Miguel Servet, a que te atem e levem ao lugar de Champel, que ali te sujeitem a uma estaca e te queimem vivo, junto a teu livro manuscrito e impresso, até que teu corpo fique reduzido a cinzas, e assim termines teus dias para que fique como exemplo para outros que queiram cometer o mesmo.”

Isaac Newton
Em sua obra - An Historical Account of Two Notable Corruptions of Scripture, de Sir Isaac Newton, Edição de 1830, Londres 
(Um Relato Histórico Sobre Duas Notáveis Corrupções de Escritura)
Sir Isaac Newton Theological Manuscripts

Isaac Newton não hesitou em suas pesquisas e conclusões em colocar a Autoridade das Escrituras acima da autoridade dos Concílios e Conclaves.
Eis alguns dos argumentos de Newton:

4. Porque Deus gerou o Filho em algum tempo, este não teve existência desde a eternidade. Provérbios 8:23, 25.

5. Porque o Pai é maior do que o Filho. João 14:28.

6. Porque o Filho não sabia de sua última hora. Mar. 13:32, Mat. 24:36, Rev. 1:1, 5:3.

7. Porque o Filho recebeu todas as coisas do Pai.”

Isaac Newton, A Biography, p. 642.

Esse último item (7) é de grande importância para um entendimento correto das Escrituras.

Jeová deu a Jesus Cristo todas as coisas. (Mateus 28:18)
Jeová enalteceu a Jesus, Jeová concedeu a Jesus o “sentar a sua Direita” - Jeová fez de Jesus o Líder para o povo de Deus – o Rei do Reino de Deus.
Esse é o motivo de Jesus ser chamado de Senhor, ou Salvador ou Rei, Cristo ou Messias.
Esse é um arranjo estabelecido por Jeová, note as palavras abaixo:

(1 Cor 15:25)
25 Pois ele [Jesus] tem de reinar até que [Deus Jeová] lhe tenha posto todos os inimigos debaixo dos seus pés. 26 Como último inimigo, a morte há de ser reduzida a nada. 27 Pois [Deus Jeová] “lhe sujeitou todas as coisas debaixo dos pés”. Mas, quando diz que ‘todas as coisas foram sujeitas’, é evidente que se excetua aquele que lhe sujeitou todas as coisas. 28 Mas, quando todas as coisas lhe tiverem sido sujeitas, então o próprio Filho também se sujeitará Àquele que lhe sujeitou todas as coisas, para que Deus [Jeová] seja todas as coisas para com todos

Jesus, após seu batismo, foi ungido pelo próprio Jeová como rei do Reino de Deus ainda aqui na terra, e após ser ressuscitado por Deus e ascender aos céus, Jesus passou a reinar, à destra de Deus, como Rei do Reino de Deus sobre a “nação cristã” - “Israel” (para mais detalhes veja dissertação carta-sobre-parousia)

Jesus passou a atuar como Rei à destra de Jeová – seu trono, conforme descrito abaixo, falando a respeito de Jesus:

Salmo 45:6 Deus é o teu trono por tempo indefinido, para todo o sempre;
O cetro do teu reinado é um cetro de retidão.
7 Amaste a justiça e odiaste a iniqüidade.
É por isso que Deus, o teu Deus, te ungiu com óleo de exultação mais do que a teus associados.

O apóstolo Paulo cita esse mesmo Salmo:
Hebreus 1:6 Mas, ao trazer novamente o seu Primogênito à terra habitada, ele diz: “E todos os anjos de Deus lhe prestem homenagem.”

Sim, os anjos reconheceram o efetivo Rei Jesus - o rei estabelecido por Jeová – o único Deus

Paulo continuou:
8 Mas, com referência ao Filho: “Deus é o teu trono para todo o sempre, e [o] cetro do teu reino [de Jesus, este passou a ocupar o cargo de Rei] é o cetro da retidão. 9 Amaste a justiça e odiaste o que é contra a lei. É por isso que Deus, o teu Deus, te ungiu com óleo de exultação mais do que a teus associados.”


Quando as Escrituras afirmam que Jesus está "à destra de Deus" (Atos 7:55,56), equivale dizer que Jesus está reinando "em seu trono". A posição ou cargo à destra de Deus é o maior cargo de destaque para uma criatura dentro do Reino dos céus. Jesus como Rei, passa a ser o "braço direito" de Deus.

Um Israelita no passado, ao ver o rei Davi salvar à Israel das mãos dos filisteus gritava:

"Salve ao nosso Deus Jeová, e salve ao nosso rei Davi – o ungido de Jeová que nos livrou das mãos de Golias!"

Desde o primeiro século EC, os cristãos bradam:
"Salve ao nosso Deus Jeová, e salve ao nosso Rei Jesus (Davi Maior) – o ungido de Jeová que nos livrou das mãos do pecado e da mentira!"

Entender a clara relação entre Jeová – o único Deus Verdadeiro, e Jesus – o Rei (Davi Maior) do Reino de Deus, nos ajuda a evitar cair em erros como os da Trindade.

E na mesma proporção, saber que Jesus é Rei do Reino de Deus desde o primeiro século de nossa era, nos ajuda a entender que Jesus não teve que esperar cerca de 1900 anos à frente afim de exercer sua autoridade como Rei ou Líder no Reino de Deus - isso nos ajuda a evitar cair nos erros da doutrina de 1914 ensinada por nós Testemunhas de Jeová.


"Não discordo de tudo que ensinam. Porque todos têm um pouco de verdade e um pouco de erro, mas todos vêem os erros dos outros e ninguém vê os seus próprios erros." - Miguel Servet



Caso vejam os meus próprios erros...é favor corrigirem!


Leia também:

Um comentário:

Anônimo disse...

As testemunhas de jeova são contraditórias entre elas mesmas. No site JW.org é declarado afirmativamente que Jesus é o arcanjo Miguel. Então, Jeová estaria entronizando um simples ser espiritual no trono celestial?
Então, Jesus (para o JW.org) não é o Filho de Deus? Como pode?